Bollinger bands

Da Thinkfn
Exemplo de bandas de Bollinger com um período de 20 dias e largura de 2 SDs, sobre o índice Nasdaq 100.

As Bollinger Bands (bandas de Bollinger) são uma ferramenta da análise técnica inventada por John Bollinger nos anos 80. Tendo sido desenvolvidas a partir do conceito de bandas de trading, as bandas de Bollinger podem ser usadas para determinar o estado de sobrecompra ou sobrevenda da cotação actual face a cotações recentes.

As bandas de Bollinger consistem em:

  • Uma tendência central que é uma média móvel simples de N períodos;
  • Um limite superior de K vezes um desvio padrão de N períodos acima da tendência central;
  • Um limite inferior de K vezes um desvio padrão de N períodos abaixo da tendência central;

Valores típicos para N e K são de 20 e 2, respectivamente.

Valor predictivo

As bandas não podem, ao contrário do que alguns têm suposto, ser usadas para fazer afirmações fiáveis sobre a probabilidade dos preços cairem dentro de uma determinada distância do valor médio no futuro próximo. Isto acontece porque a cotação de uma acção individual não obedece a uma distribuição de retornos conhecida (ver processo estocástico). Por exemplo, se as bandas para mais e menos 2 desvios padrão (2SD) forem calculadas, é errado supor que ~95% dos preços de fecho de uma acção estarão entre essas bandas. Isso requereria, entre outras coisas, que os retornos se distribuissem segundo uma distribuição normal, o que não acontece. Também requeriria que o verdadeiro desvio padrão fosse conhecido, visto que o utilizado é uma mera estimativa deste. Por fim, deve compreender-se que os "desvios padrão" calculados para cotações bolsistas não são parâmetros fixos tal como requerido para aplicar as teorias clássicas de estatística. São variáveis em constante fluxo, dependendo da volatilidade do preço. As bandas dão uma ideia visual da volatilidade da cotação. No entanto podem ser úteis na análise técnica de cotações e retornos e pela inequalidade de Chebyshev devem conter pelo menos 75% das cotações. Estas considerações devem ser levadas em conta face a outros factores, antes de se tomar uma decisão de investimento.

É interessante notar que uma interpretação falaciosa de uma cotação atingir ou ultrapassar uma banda de Bollinger, baseada em pressupostos estatísticos incorrectos, se tornou tão comum que alguns traders agora usam estes eventos isolados como sinais de trading e podem, por isso, ter inadvertidamente introduzido significância nestes toques das bandas, significância essa que de outra forma estaria ausente. No entanto, qualquer um pode verificar, ao longo do tempo, que para por exemplo um conjunto diversificado de fundos de investimento, a proporção de fechos que ultrapassam a sua banda de Bollinger de 1 mês / 2 SD varia entre 5% e 15% dos dias, com cada fundo a possuir uma determinada probabilidade de quebrar as bandas, que descreve fielmente a sua volatilidade relativa de longo prazo.

Quando as bandas estão bastante próximas isso indica um período de baixa volatilidade nas cotações. Quando estão afastadas, um período de elevada volatilidade. Quando as bandas têm apenas uma pequena inclinação e estão paralelas há bastante tempo, a cotação do activo tenderá a oscilar para cima e para baixo entre as bandas, como se dentro de um canal.

Interpretação

O uso das bandas de Bollinger varia muito de trader para trader. Alguns traders compram quando a cotação atinge a banda inferior, e saem quando o preço atinge a tendência central. Outros compram quando o preço sobe acima da banda superior ou vendem quando o preço cai abaixo da banda inferior. Além disso, o uso de bandas de Bollinger não está limitado a traders de acções; traders de opções, notavelmente, muitas vezes vendem opções quando as bandas de Bollinger estão historicamente afastadas, e compram opções quando elas estão próximas, em ambas as situações esperando que a volatilidade reverta para a sua média histórica.

Referências

Ver também

Links Relevantes